quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Em nova pesquisa Aécio tem 53,2% dos votos válidos; Dilma, 46,8%

Entre os entrevistados, 7,8% se declararam indecisos e 3,7% escolheram voto em branco ou nulo

POR CONGRESSO EM FOCO | 21/10/2014 16:34 

 COMPARTILHARIMPRIMIR

Pesquisa mais recente do Instituto Veritá mostra o candidato à Presidência da República Aécio Neves (PSDB) com 53,2% das intenções de voto, quase sete pontos percentuais à frente de Dilma Rousseff (PT), que alcançou 46,8% das preferências. Considerados os votos totais (considerados votos brancos, nulos e indecisos), a contagem é de 47% para o tucano e 41,4% para a petista.

Do total de entrevistados, 7,8% se declararam indecisos e 3,7% escolheram voto em branco ou nulo. Já os eleitores que disseram rejeitar voto em Aécio chegaram a 39,1%, enquanto Dilma tem 46,1% da rejeição do eleitorado.

Os números do Veritá contrastam com a terceira pesquisa Datafolha deste segundo turno, divulgada ontem (segunda, 21), em que há diferença de quatro pontos percentuais em favor de Dilma. Contratado pela Rede Globo e pelo jornal Folha de S.Paulo, o levantamento mostra a presidenta com 52% dos votos válidos, enquanto Aécio alcançou 48%.

A margem de erro definida pelo instituto Veritá é de 1,4 ponto percentual, para mais ou para menos – faixa que descarta e empate técnico. Contratado pela Ediminas S.A., que publica o jornal mineiro Hoje em Dia, o levantamento ouviu 7.700 eleitores de 213 municípios de todas as unidades da Federação, entre 17 e 18 de outubro.

O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Esse percentual quer dizer que, se o levantamento for reaplicado por 100 vezes consecutivas, em 95 ocasiões os resultados ficariam dentro da margem de erro de 2%, para cima ou para baixo. O levantamento pode ser conferido no Tribunal Superior Eleitoral, onde está registrado sob o protocolo BR-01144/2014.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Homem morre atingido por raio em fazenda em Santo Antônio do Monte

Vítima colocava peças em caminhão quando foi atingida pela descarga. Intensidade do choque ainda arrancou as rodas traseiras do veículo.

Um homem de 34 anos morreu ao ser atingido por um raio durante uma tempestade na noite desta segunda-feira (20), em uma fazenda no povoado de São José das Rosas, em Santo Antônio do Monte. De acordo com a Polícia Militar, ele trabalhava colocando peças de argila em um caminhão quando foi atingido pela descarga elétrica. O choque ainda danificou o veículo, que teve as rodas traseiras arrancadas. Outras três pessoas estavam próximas da vítima, mas não se feriram. Peritos da Polícia Civil estiveram no local. Em seguida, o corpo foi removido por uma funerária.

Homem assalta motel e abusa de mulheres em Nova Serrana.

Polícia informou que ele obrigou as vitimas a abrirem as portas dos quartos.
Jovem foi identificado e detido após imagens de câmeras de segurança.

Do G1 Centro-Oeste de Minas
Um jovem de 20 anos foi detido neste domingo (19) após assaltar e abusar de algumas mulheres em um motel situado no Km 1 da BR-423 em Nova Serrana. De acordo com a Polícia Militar (PM), testemunhas relataram que o jovem invadiu o local armado com uma faca e anunciou o assalto. O suspeito obrigou as vítimas a abrirem as portas dos quartos do local para roubar pertences.

Os policiais realizaram buscas no Povoado dos Gamas e encontraram o jovem com as chaves da portaria do motel roubado e a faca utilizada no crime. O material foi apreendido e encaminhado à delegacia, juntamente com o jovem. O
 G1 ligou na polícia para saber mais informações sobre os abusos, mas as ligações não foram atendidas.
Ainda segundo os militares, durante o assalto o suspeito teria abusado de algumas mulheres, quando uma das vítimas reagiu e conseguiu desarmá-lo. Após a ação, o suspeito fugiu a pé, sentido Povoado dos Gamas. As filmagens das câmeras de segurança do motel foram checadas e o ator foi identificado.

Coisas que só vemos em Pompéu, moto bitrem.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Mesmo com três rios, Pompéu enfrenta seca e prejuízos no campo


Produtores não conseguem produzir comida nem para o gado.
Mais de 60 nascentes já secaram no município, segundo a Prefeitura.

Anna Lúcia SilvaDo G1 Centro-Oeste de Minas
Rio Pará em Pompéu (Foto: Carlos França/Nossas Gerais)Rio Pará em Pompéu é um dos reflexos da estiagem
(Foto: Carlos França/Nossas Gerais)
G1 tem mostrado com frequência as cidades do Centro-Oeste do estado que passam por dificuldades por conta da falta de água. Em Pompéu, a situação não é diferente e, mesmo o município tendo uma localização geográfica favorecida, entre os três maiores rios do estado: São Francisco, Pará e Paraopeba; a população, principalmente da zona rural, enfrenta a seca mais rigorosa da história. “A seca castiga porque quem mora à beira de um desses rios tem um pouco de água que resta, mas quem não mora nesses locais sofre mais ainda”, afirmou o presidente do Sindicato Rural, Antônio Carlos.

Para piorar, a Secretaria de Indústria Comércio e Agropecuária tem feito um levantamento solicitado pelo Comitê da Bacia Hisdrográfica do Rio São Francisco para catalogar as nascentes e córregos que secaram na região e estima-se que, até o momento, foram contabilizadas mais de 60 nascentes secas. "Temos feito esse levantamento para buscarmos medidas de políticas públicas para ajudar os produtores rurais, aqueles que por exemplo não têm condições de arcar com custos altos de investimentos nas propriedades, como a perfuração de poços", disse o secretário Geraldo Édson de Campos.
Cristiano Mota é produtor rural há dez anos e há cinco meses fez um investimento de R$ 500 na propriedade. Ele instalou um pivô central para irrigar uma plantação de milho com intuito de produzir silagem para os animais em uma área de 45 hectares. A expectativa era de produzir 50 toneladas por hectare. O alimento seria vendido na região a outros produtores, contudo, por conta da estiagem, não produziu nada do que foi planejado. “A chuva não veio e o pivô não chegou a funcionar um só dia sequer após a instalação”, contou.
Pivo não funciona desde julho por falta de água (Foto: Cristiano Sarley Flores da Mata/Divulgação)Pivô não funciona desde julho por falta de água (Foto: Cristiano Mota/Divulgação)
O córrego do Bugio de onde o produtor captaria água para o pivô central secou. A imagem nunca vista antes por ele impressiona. “Sou produtor há muito tempo e água é fundamental para as atividades no campo. Então é claro que ficamos muito preocupados com esse período de estiagem tão rigoroso. A pessoas mais velhas na região contam que nunca viram o córrego nessa situação”, relatou.
O produtor ainda contou que na fazenda dele há um poço artesiano com capacidade de 7.500 litros por hora. Além de abastecer a casa e ser útil para atividades diárias, a água desse poço mata a sede de 300 cabeças de gado. “Se não fosse esse poço artesiano que eu tenho já faz tempo, não teria condições de manter o gado”, afirmou.
Nascente secou na propriedade do produtor rural (Foto: Cristiano Sarley Flores da Mata/Divulgação)Córrego secou na propriedade do produtor rural
(Foto: Cristiano Mota/Divulgação)
Os problemas com a falta de chuva começaram em 2013, neste mesmo ano o produtor implantou uma lavoura de sorgo em  27 hectares com expectativa de produzir 35 tonaledas do alimento, a falta de chuva fez com que ele produzisse apenas 15 toneladas. "Plantei o sorgo justamente porque ele é muito resistente à seca, mas como não choveu de jeito nenhum não houve como produzir o que foi planejado", disse.
A silagem na região, segundo Cristiano, há pouco tempo era vendida a R$ 110 a tonelada e hoje por conta da oferta e demanda o custo não sai por menos de R$ 180 a tonelada. "Tive muita procura pelo alimento e não tive como fornecer", afirmou.
Segundo o  presidente do Sindicato dos Produtores Rurais Antônio Carlos, em 2013 choveu 800 milímetros de janeiro até exatamente 30 de setembro. Um estudo feito este ano aponta que até o mês de outubro choveu 245 milímetros. “É assustador, pois falta água e consequentemente falta comida. Temos um levantamento que mostra que precisamos de pelo menos 100 milímetros de chuva até o fim do mês se não as atividades estarão comprometidas. E isso deve resolver 30% a 40% do problema. É preciso que a chuva encha as barraginhas para o gado ter água para beber", explicou.
Como medida emergencial o município tem usado dois poços artesianos para encher dois caminhões e um trator-pipa que levam diariamente o abastecimento para as comunidades rurais mais prejudicadas. Mas nem todas são atendidas. "Certamente não dá para atender a todas as pessoas, mas há um levantamento das mais prejudicadas, e estas sim são as que recebem assistência. Devido à grande demanda dessa seca atípica infelizmente não dá para atender todo mundo”, disse o secretario de Infraestrutura Serviços Urbanos e Meio Ambiente, Selmo Alexandre Pereira de Noronha.
Problemas em escala
Geraldo ainda ressaltou que a falta de água causa problemas em escala. Na cidade a principal atividade econômica na agropecuária é a produção de leite. O produto é exportado para grandes empresas do país. Com a falta de água o gado leiteiro passa a produzir menos devido à baixa qualidade e pouca oferta dos alimentos que ficam com a produção comprometida sem chuva. “Os produtores têm deixado de produzir 20% da capacidade. Essa perda significa que o município deixa de ganhar R$ 120 mil por dia. Mas isso não é tudo. Também temos produção de carvão vegetal e cana de açúcar. Essas atividades também estão comprometidas”, enfatizou.
Seca atinge cidade desde o início (Foto: Geraldo Édson de Campos/Divulgação)Seca atinge cidade desde o início (Foto: Geraldo Édson de Campos/Divulgação)
Assentamentos
A situação de falta de água se repete na em alguns assentamentos localizados próximo ao município, às margens da MG-420 e MG-060. "Temos quatro assentamentos da Reforma Agrária no município, que tem entre cinco e 20 anos. Neles moram centenas de famílias. A situação da seca começou a se agravar em 2013, mas esse ano está realmente atípico. Estamos levando água para pessoas que em épocas anteriores nunca tiveram necessidade", disse o secretário de Meio Ambiente.
No assentamento Paulista, localizado na MG-060, a água chega uma vez por semana. E com isso as pessoas precisam guardar a água que recebem para todas as necessidades do lar, inclusive as básicas e pessoais. Como ainda relatou o secretário de Agricultura, Geraldo Édson. “As pessoas armazenam a água em garrafas pets e baldes porque sabem que o caminhão tem condições de visitá-las apenas uma vez por semana”, ressaltou.
Codema
O Conselho Municipal  de Desenvolvimento do Meio Ambiente (Codema) juntamente com a Secretaria de Meio Ambiente tem feito campanhas educativas para conscientizar a população quanto ao uso racional da água. Segundo o presidente do órgão, Selmo Alexandre, a campanha pede, entre outras coisas, para que se evite o desperdício.
"Sabemos que se as pessoas colaborarem vamos manter o nível dos reservatórios. É importante ressaltar que Pompéu ainda não passa por racionamento de água e isso será evitado somente se as pessoas colaborarem. A campanha é veiculada em uma rádio que também dá dicas para evitar o desperdício", finalizou.

sábado, 18 de outubro de 2014

Policial Civil é baleado durante assalto no bairro Caiçara

Um policial civil foi baleado na tarde deste sábado na avenida Américo Vespúcio, no bairro Caiçara, região Noroeste de BH, quando teve o carro em que estava roubado por dois suspeitos armados. Além do veículo, a arma em que ele estava também foi levada.

 A polícia não forneceu detalhes do caso, apenas que dois suspeitos armados renderam a vítima por volta das 13h30 e que o carro levado seria uma viatura descaracterizada. Durante a ação eles deram um disparo, que  teria atingido de raspão o policial.

Seca faz Jacaré mudar do brejo para bebedouro de vacas em Pompéu.



Um Jacaré foi encontrado dentro de um bebedouro de vacas na Fazenda Nossa Senhora das Graças em Pompéu. Um dos trabalhadores pegou o animal que foi solto em outro brejo que ainda nõa havia secado.
Veja o vídeo.

Operação da PC e PM em Papagaios e Maravilhas

                   

"Noiados" são detidos com crack em carrinho de bebê em Bom Despacho

Dois jovens e uma adolescente foram localizados com 190 pedras da droga.

PM informou que bebê estava dentro do carrinho onde droga foi apreendida.

Do G1 Centro-Oeste de Minas
Crack apreendido em Bom Despacho (Foto: Polícia Militar/ Divulgação)Droga estava enrolada em um lençol
(Foto: Polícia Militar/Divulgação)
Dois jovens de 19 e 20 anos foram presos e uma adolescente de 16 foi apreendida nesta quinta-feira (16) suspeitos de tráfico de drogas no Bairro São Vicente em Bom Despacho. Durante cumprimento de mandado de busca e apreensão, a Polícia Militar (PM) localizou em uma casa mais de 190 pedras de crack.
De acordo com a PM, a droga foi encontrada enrolada em um lençol dentro de um carrinho de bebê. Os militares contaram que a criança, que é filha da adolescente apreendida, estava dentro do carrinho.
Ainda segundo a polícia, o material apreendido foi encaminhado juntamente com os suspeitos detidos para a delegacia de Polícia Civil de Bom Despacho. O G1 ligou na delegacia, mas as ligações não foram atendidas.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Prova pericial elucida casos obscuros aos olhos da polícia


“A história estava escrita nas paredes.” Foi assim que o perito criminal Osvaldo Negrini Neto, hoje aposentado, descreveu a atuação da perícia no massacre do Carandiru. Em uma sexta-feira, 2 de outubro de 1992, na casa de detenção de São Paulo, a Polícia Militar de São Paulo conteve uma rebelião de presidiários. A intervenção militar resultou na morte de 111 detentos.

A inspeção da perícia criminal, logo que a cena do crime é descoberta, é fundamental. Tão importante quanto é a preservação do cenário. No massacre do Carandiru, quando Negrini foi chamado para comparecer ao local, a primeira dificuldade que encontrou foi a resistência dos policiais que lá estavam, que não queriam que o perito tivesse acesso ao local do crime. “Eles diziam que o local estava contaminado, destruído demais e que não havia condições de realizar a perícia. Lembro-me de pensar que, se não fizéssemos naquela hora, nunca descobriríamos o que de fato aconteceu naquele pavilhão”, contou Negrini. “Tivemos, depois de muita insistência, acesso ao corredor. Não havia luz elétrica, então não conseguimos ver muita coisa. Mas conseguimos ver as marcas de balas. Estava tudo lá. Buracos nas paredes, próximo ao chão, evidenciavam que os tiros eram disparados contra pessoas acuadas, em situação indefesa.” A perícia encontrou mais de 580 balas alojadas nas paredes, no chão do presídio e dentro dos corpos das vítimas. Somente 280 delas estavam no interior dos cadáveres. 

  O relato de Negrini deu abertura ao seminário Perícia Criminal e Justiça, promovido pelo Sindicato dos Peritos Oficiais da Área Criminal do Estado do Rio Grande do Sul (Acrigs) e pela Escola Superior da Magistratura da Associação dos Juízes do Estado (Ajuris). Para o presidente da Acrigs, Eduardo Lima Silva, é importante que uma aproximação entre o âmbito da perícia criminal e o Judiciário seja estimulada. “O laudo pericial permanece desde o começo até o julgamento de uma ação. É o único documento que vale por todo o processo, por isso, um estreitamento entre os profissionais é bem-vindo.”

O juiz da Vara de Execuções Criminais da Capital, Sidinei Brzuska, reiterou a importância do trabalho do perito criminal e trouxe o exemplo para o caso do Presídio Central de Porto Alegre (PCPA). Desde 2008, Brzuska acompanha a situação das casas penitenciárias do município. A lei exige que sejam realizados relatórios mensais de inspetores para evitar que casos de desrespeito aos direitos humanos e crimes ocorram dentro dos presídios. Nestes seis anos, Brzuska registrou mais de 300 mortes de prisioneiros do PCPA ou de detentos oriundos de lá que foram transferidos ou encaminhados a outras penitenciárias. De acordo com o juiz, somente um dentre tantos casos que ele acompanhou resultou em processo criminal. “Eu chegava às terças-feiras para fazer a inspeção e ficava sabendo de crimes que aconteciam em outros presídios. No foro, ninguém ficava sabendo disso. Quando descobríamos, geralmente, era muito tempo depois. Assim, eu passei a acompanhar por conta. Pedia que me ligassem quando corpos fossem encontrados para que pudesse, pelo menos, fotografá-los. No primeiro dia após o combinado, recebi quatro ligações de casas diferentes”, relatou.

A partir daí, Brzuska passou a insistir na realização de perícias criminais. Várias das mortes registradas por ele foram arquivadas como “morte natural”. As fotos feitas por ele, embora não sejam perícias propriamente ditas, servem para que pelo menos ele, que fiscaliza o presídio no mínimo uma vez por mês, não seja enganado. “É muito difícil conseguir prova testemunhal deste tipo de crime. A única prova acaba sendo a pericial”, elucidou. Com a ausência de perícias, era fácil encobrir os delitos ocorridos no Central. Sem uma perícia detalhada na Casa de Detenção de São Paulo, talvez os 73 policiais militares condenados, em 2014, por 73 homicídios estivessem, hoje, em liberdade. 


Trabalho foi fundamental na elucidação do incêndio na Kiss

A perícia acaba sendo fundamental, também, para desvendar e explicar tragédias. Quando houve o incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, nenhuma explicação lógica parecia fazer sentido. Não havia precedentes de um incêndio ter matado 242 pessoas. O trabalho dos peritos, portanto, foi de extrema importância para identificar as causas do que provocou o fogo.

O perito criminal Rodrigo Harsteln, responsável pela perícia da boate, explicou que nem mesmo os especialistas sabiam como proceder naquela ocasião. “Isso nunca tinha acontecido. Tivemos que criar uma metodologia nova, diferenciada das demais”, narrou. “A perícia de incêndio está acostumada a identificar a causa, como, onde e quem começou as chamas. No caso Kiss, fizemos um levantamento aprofundado. Quando há poucas mortes, é mais fácil determinar o que houve.”

Na época, foram denunciadas diversas anormalidades encontradas na casa noturna, inclusive a própria planta do local. Portas irregulares, ausência de duas saídas de emergência, barras no meio do caminho de saída. O perito confirmou o que foi divulgado pela mídia e relatado pelos sobreviventes da tragédia: a Kiss era um labirinto. 

Capital do tênis e do assalto: Violência explode em Nova Serrana, mais um comerciante é assaltado e baleado por assaltantes.

Dois homens roubaram dinheiro e pertences da vítima.

PM localizou um dos suspeitos que confessou o crime.

Bárbara AlmeidaDo G1 Centro-Oeste de Minas
Um comerciante de 59 anos foi baleado durante assalto nesta quarta-feira (15) no Bairro Planalto em Nova Serrana. Segundo a Polícia Militar (PM), dois homens armados entraram no comércio da vítima, roubaram o dinheiro do caixa, um anel e um cordão de ouro. Durante a ação, um assaltante atirou no rosto da vítima e fugiu com o comparsa em uma moto. Após rastreamento a PM prendeu um deles, que confessou o crime.
De acordo com a polícia, testemunhas contaram que a vítima não reagiu ao assalto. Os militares informaram que o comerciante entregou tudo que os assaltantes pediram. A vítima colocou o material em uma sacola e entregou ao suspeito que antes de fugir atirou no rosto dele. O homem foi socorrido pela população e encaminhado para o Hospital de Pronto Atendimento de Nova Serrana. O G1entrou em contato com a unidade que informou que o estado de saúde dele é estável e que o mesmo será transferido para o Hospital São João de Deus (HSJD) em Divinópolis.
Ainda de acordo com a PM, horas depois do assalto a polícia recebeu uma denúncia anônima relatando que a moto utilizada no crime estava abandonada próximo ao comércio da vítima. Os policiais foram ao local e encontraram o dono da moto que contou que a vendeu para um homem e que ainda não transferiu os documentos.
A PM fez rastreamento e prendeu em casa um dos suspeitos, que confessou o crime. A moto foi apreendida e encaminhada para o pátio credenciado do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). O suspeito preso foi encaminhado para a delegacia de Polícia Civil de Nova Serrana. Os militares não souberam informar a idade dele. O outro homem suspeito de participar do assalto não foi localizado. O valor do material roubado não foi divulgado.

Polícia limpa as ruas de Papagaio e Maravilhas.


Até o momento cinco pessoas foram presas, além de drogas apreendidas.
Polícias Civil e Militar devem apresentar balanço da ação até o fim do dia.

Material foi apreendido durante operação conjunta (Foto: Polícia Civil/ Divulgação)Do G1 Centro-Oeste de Minas
Material foi apreendido durante operação conjunta
(Foto: Polícia Civil/ Divulgação)
Cerca de 40 policiais civis e militares realizam nesta quinta-feira (16) uma operação conjunta contra a criminalidade em Papagaios e Maravilhas. O delegado responsável Francis Guerra contou que a ação deve continuar até o fim do dia.
Segundo as primeiras informações repassadas pelo investigador da Polícia Civil, Leonardo Ribeiro, até o momento cinco pessoas foram presas. Uma delas por meio de cumprimento de mandado de prisão e as outras por flagrante. Os militares ainda apreenderam porções de crack, maconha, cocaína e uma arma. Um balanço da operação deve ser divulgado até o fim do dia.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Poder só para os Delegados; Dilma edita medida provisória para enquadrar Polícia Federal e evitar novos vazamentos de escândalos.

Você está aqui: Capa / Política / Dilma edita medida provisória para enquadrar Polícia Federal e evitar novos vazamentos de escândalos
Dilma edita medida provisória para enquadrar Polícia Federal e evitar novos vazamentos de escândalos


O jornalista Claudio Tognolli, em seu blog na internet, afirma que o governo Dilma, para tentar evitar novos vazamentos de escândalos, roubos e tráfico de influência na Petrobras, editou na noite desta segunda-feira (13) medida provisória para tentar “enquadrar” a Polícia Federal. A medida altera e insere artigos na Lei nº 9.266, de 15 de março de 1996, que reorganizou a carreira dos policiais federais. Tognolli afirma que a MP assinada por Dilma vai dar poder total aos delegados de polícia e destruir as propostas do grupo de trabalho que visava reestruturar a Polícia Federal a partir das demandas de seus 15 mil agentes – que lutam por condições de terem o mesmo espaço dos delegados.
“A nova medida do governo implodiu projetos de Proposta de Emenda Constitucional do próprio PT, como a PEC 51 e PEC 73. Sem esperar os 150 dias de prazo que um grupo de trabalho tinha para analisar a reformulação da PF, o governo detonou as aspirações dos agentes. O grupo de trabalho era composto por membros do Ministério do Planejamento, da PF e do Ministério da Justiça. O Ministério da Justiça encaminhou na noite desta segunda-feira à presidenta Dilma Rousseff uma minuta de Medida Provisória que dá amplos poderes aos delegados”, afirma Tognolli, que foi o co-autor do livro “Assassinato de Reputações”, do delegado Romeu Tuma Jr.
Na medida provisória, o governo reforça na lei a vinculação do diretor-geral da PF com o Palácio do Planalto, ao inserir parágrafo afirmando que “o Diretor-Geral da Polícia Federal será nomeado pelo Presidente da República dentre os Delegados de Polícia Federal da classe mais elevada da carreira.”. Outra iniciativa com a MP é a de ampliar o domínio do governo sobre a instituição, ao reafirmar na Lei que a “Polícia Federal é um órgão permanente de Estado, organizado e mantido pela União, para o exercício de suas competências previstas no § 1o do art. 144 da Constituição, fundada na hierarquia e disciplina, e é integrante da estrutura básica do Ministério da Justiça”.
Leia abaixo o texto da medida, que está sendo contestada pelos agentes da Polícia Federal:
MEDIDA PROVISÓRIA Nº 657, DE 13 DE OUTUBRO DE 2014.
Altera a Lei no 9.266, de 15 de março de 1996, que reorganiza as classes da Carreira Policial Federal, fixa a remuneração dos cargos que as integram e dá outras providências.
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:
Art. 1o A Lei no 9.266, de 15 de março de 1996, passa a vigorar com as seguintes alterações:
“Art. 2º-A. A Polícia Federal, órgão permanente de Estado, organizado e mantido pela União, para o exercício de suas competências previstas no § 1o do art. 144 da Constituição, fundada na hierarquia e disciplina, é integrante da estrutura básica do Ministério da Justiça.
Parágrafo único. Os ocupantes do cargo de delegado de Polícia Federal, autoridades policiais no âmbito da polícia judiciária da União, são responsáveis pela direção das atividades do órgão e exercem função de natureza jurídica e policial, essencial e exclusiva de Estado.
Art. 2o-B. O ingresso no cargo de delegado de Polícia Federal, realizado mediante concurso público de provas e títulos, com a participação da Ordem dos Advogados do Brasil, é privativo de bacharel em Direito e exige três anos de atividade jurídica ou policial, comprovados no ato de posse.
Art. 2o-C. O cargo de diretor-geral, nomeado pelo Presidente da República, é privativo de delegado de Polícia Federal integrante da classe especial.” (NR)
Art. 2o Esta Medida Provisória entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 13 de outubro de 2014; 193º da Independência e 126º da República.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Cadeia de Santo Antonio do Monte fica vazia.

                   

Família vive feliz a 4 anos sob a ponte do Rio Pará entre Pompéu e Martinho Campos

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Só no Brasil: Delegado pode ser punido por restabelecer a ordem em Pitangui.

Policial afirma que recurso serve para dispersar quem promove algazarra.

Envolvidos tentaram fugir e um deles ficou ferido ao bater em outra moto.

Ricardo WelbertDo G1 Centro-Oeste de Minas
Motoqueiro é socorrido após queda causada por choque em Pitangui (Foto: Fred Silva/Arquivo pessoal)Motoqueiro é socorrido após queda causada por
choque (Foto: Fred Silva/Arquivo pessoal)
Um jovem de 18 anos foi preso nesta terça-feira (7) em Pitangui, depois de tentar fugir de um cerco policial. Na ocasião, o delegado Diógenes Caldas, da Polícia Civil (PC), efetuou disparos contra um grupo de motoqueiros que praticava manobras perigosas. Segundo ele, a munição era de festim. O delegado regional, Irineu José Coelho Filho, disse que abrirá sindicância para investigar o caso.
A Polícia Civil afirma que grupos de motociclistas têm praticado constantes crimes de direção perigosa perto da Praça João Maria de Lacerda, no Centro, onde ficam a delegacia e a Prefeitura da cidade. O quartel da Polícia Militar (PM) também fica próximo.
Para coibir essa prática, foi preparada uma operação. "Distribuímos policiais no início, no meio e no fim da via. Quando um grupo de cerca de cinco motoqueiros passaram, anunciamos a abordagem. Eles tentaram fugir e, para tentar contê-los, efetuei três tiros com munição de festim, que apenas imitam o som das munições de verdade e não ferem. O uso desse recurso é um jeito que a polícia tem de dispersar quem promove algazarras", explicou o delegado Diógenes Caldas ao G1.

Os dois ocupantes caíram no chão e foram atendidos pelo Grupo de Atendimento Voluntário Emergencial (Gave) e conduzidos à Santa Casa da cidade, com ferimentos leves. "O jovem de 18 anos teve uma lesão no tornozelo, causada pela queda. O policial teve ferimentos no punho e na mão", informou o socorrista Edson Souza.
Fuga
Assustados pelo barulho de tiros, os motociclistas aceleraram e tentaram fugir. Alguns, conseguiram. Outro, um jovem de 18 anos, acabou batendo na moto de um policial que atuava no cerco.
Invetigação
A ocorrência não chegou a ser registrada pela PM. A própria Polícia Civil documentou o ocorrido. Ainda segundo o delegado Diógenes Caldas, o rapaz detido responderá por vários crimes, entre eles o de risco a terceiros e o de desobediência.
G1 questionou o delegado regional Irineu José Coelho Filho, chefe de Diógenes Caldas, a respeito da ação. De acordo com ele, ainda não é possível saber se houve abuso de autoridade por parte do policial. "Será aberta uma sindicância para apurar esse fato. Se for contatado o abuso, ele vai responder de acordo com a lei", informou.